Entrevistamos o novo presidente da DPG

Sábado, 14 de Abril de 2018

Xurxo Fernández Carballido é licenciado em Filologia Galega e Filologia Portuguesa pela Universidade de Santiago de Compostela e Mestre em Português Língua Não Materna pela Universidade do Minho. Como muitos outros colegas começou a dar aulas de português na Estremadura espanhola, depois foi professor associado de língua portuguesa na Universidade de Vigo e desde 2007 professor e responsável pela secção de língua portuguesa no Centro de Línguas Modernas da Universidade de Santiago de Compostela.

 

  • Que o motivou a dar este passo como presidente da DPG?

 

A DPG não é uma Associação personalista, bem pelo contrário, somos docentes que trabalham em equipa com um interesse comum: promover a língua portuguesa na Galiza no âmbito do ensino. Somos um projeto coletivo e eu sou apenas mais um sócio que assumiu esta responsabilidade com ilusão após vários anos de trabalho dentro da DPG.

 

 

  • Começando pelas ações mais visíveis à data de hoje, a DPG organizou uma campanha com o intuito de reclamar a qualidade do ensino da língua portuguesa na Galiza. Em que consiste e quais são as motivações que a justificam?

 

A nossa campanha pela qualidade na docência da língua portuguesa na Galiza tem como principal objetivo pôr em valor o português na Galiza. A Administração pública deve garantir que o ensino do português, aliás, como de qualquer outra matéria, seja desenvolvida nas melhores condições. A DPG e outros docentes independentes detetaram uma falha nos chamamentos dos professores substitutos para lecionarem português no ensino secundário e mesmo nas EOI. Colegas que são chamados para darem aulas de português sem terem qualquer tipo de conhecimento básico nesta língua.

 

Outro ponto de preocupação é que professores com turmas de português sejam substituídos, pelas lógicas dos concursos e das carreiras profissionais dos professores, por docentes que não podem dar português, o que provoca a desaparição da língua portuguesa nesse centro.

 

Para mais informação e darem o vosso apoio:

https://www.change.org/p/d-jos%C3%A9-manuel-pinal-rodr%C3%ADguez-pelo-ensino-de-qualidade-da-l%C3%ADngua-portuguesa-na-galiza

 

 

  • Ainda no relativo ao ensino de português no secundário, a Conselharia de Educação resolveu, em metade do presente ano académico -no passado mês de fevereiro-, voltar a introduzir nos exames da ABAU uma prova para 2LE cujos conteúdos, no caso de português, ultrapassam o currículo da matéria. A que pensa que é devida esta situação?

 

Sobre as provas do antigo selectivo a Conselharia há muito tempo que improvisa, reparemos que houve reválidas, não reválidas, vários nomes para o selectivo, etc. com fortes protestos de toda a comunidade educativa.

 

No que diz respeito às provas de língua portuguesa, achamos muito injusto, pouco construtivo, que as provas não sejam organizadas, explicadas e resolvidas as dúvidas dos próprios docentes com antecedência.

 

Por outro lado, que as provas de português não avaliem todas as competências ou que ultrapassem as próprias programações docentes, só faz com que angariar alunos para as turmas de português e promovê-la entre a comunidade educativa seja mais difícil, ou seja, acaba por ser conhecida a matéria de português como um cadeirão, com exames de acesso à universidade muito difíceis.

 

 

  • Falando agora em termos mais gerais, em que medida a Lei polo Aproveitamento da Língua Portuguesa tem impulsionado ou dado um pulo ao aproveitamento da língua portuguesa no ensino galego?

 

A DPG teve o seu protagonismo na Lei Paz Andrade, é um fito para a sociedade galega e da qual nos devemos orgulhar, também pelo seu consenso político. Ao mesmo tempo, é evidente que para alguns coletivos o horizonte de espectativas era muito alto e para a DPG o seu desenvolvimento ficou aquém das possibilidades, mas é um quadro jurídico que facilita o nosso empenhamento para a presença da língua portuguesa no sistema educativo galego e na sociedade em geral.

Por isso, devemos ter esta Lei muito presente no nosso trabalho diário, como quadro referencial, mas também para que seja cumprinda.

 

 

  • E colocando-nos já em termos mais históricos, a DPG vem de fazer 10 anos no presente ano 2018, quais foram as principais linhas de trabalho da DPG até o momento? E quais acha foram os principais marcos históricos?

 

Com isto dos aniversários sempre devemos cantar os parabéns! A vida do associativismo é muito dura e sempre há bons e maus momentos, mas o certo é que a DPG sempre manteve uma atividade constante e sempre foi um grupo de docentes com muita ilusão e conscientes do trabalho que faziam e aqui continuamos a trabalhar muitas pessoas, dentro das nossas possibilidades e disponibilidade.

 

Sou sócio desde a primeira hora, convidado pelo colega e amigo Felipe Domínguez Presas, ele também Presidente da DPG. O nosso primeiro presidente foi Maurício Castro, depois o Felipe, o Xoán Manuel Montero e a Antia Cortiças Leira. Todos eles fizeram um trabalho brutal e à volta outras muitas pessoas e sempre com o apoio das sócias e dos sócios.

 

Já no que se refere às atividades, certamente é impossível enumerá-las, mas eu poria em destaque que a DPG é o referente no âmbito do ensino da língua portuguesa para docentes, Conselharia, Instituto Camões, sindicatos e qualquer outro ator à volta do português na Galiza. Isto foi conseguido pelo compromisso, a crítica construtiva e o trabalho em positivo de todos os docentes associados à DPG.

 

 

  • Alguma mudança ou novidade nas futuras linhas de trabalho ou objetivos alvo da DPG a partir de já?

 

Como já referi, a DPG sempre teve uma linha de continuidade, pelo que não vai haver grandes mudanças. Os nossos grandes objetivos continuam a ser:

  • Presença do português no ensino primário.
  • Presença do português no ensino secundário e no liceu (bacharelato) como segunda ou mesmo primeira língua estrangeira.
  • Melhoramento e aprofundamento dos conhecimentos à volta da Lusofonia no âmbito escolar, especialmente nas cadeiras de língua galega, mas não só.
  • Alargamento da presença de conteúdos em língua portuguesa a outras cadeiras, música, economia, história, etc. até porque muitos factos da nossa história, economia e cultura apenas podem ser compreendidos nesse enquadramento de inter-relações.
  • Alargamento da língua portuguesa às delegações das EOI, achamos especialmente necessário no caso da Euro-cidade de Verim.
  • Consolidação da oferta de língua portuguesa nos campus universitários, através dos centros de línguas modernas das três universidades galegas.
  • Melhora da formação de docentes assim como a sua constante reciclagem. Para isso, vamos manter a nossa colaboração com o Instituto Camões, de quem sempre tivemos o seu apoio, nas Jornadas de Didática.

Para tudo isto, é necessário que os diferentes atores mantenham o seu compromisso, a começar pela convocatórias de vagas específicas de língua portuguesa para o ensino secundário e de especialistas na primária, para além da consolidação das turmas que já existem e dos docentes que estão a dar aulas, quer no ensino não universitário, quer no ensino universitário.

Somos realistas, mas somos conscientes de que o nosso trabalho baseia-se nas nossas propostas em positivo e do apoio das nossas sócias e sócios, por isso é tão importante que os docentes de português na Galiza nos associemos à DPG.

 

Pelo ensino, de qualidade, de português na Galiza

A DPG em colaboração com um grupo de docentes do ensino público galego vem de pôr em andamento uma campanha de sensibilização e denúncia das condições de precariedade laboral e má gestão em que se encontra atualmente o ensino da língua portuguesa na Galiza.

A iniciativa surge de um grupo de docentes pertencentes à lista de substituições de Língua Galega e Literatura que considerou injusto e prejudicial para a qualidade educativa a prática que a administração educativa galega vem desenvolvendo quando é preciso cobrir uma substituição de língua portuguesa no secundário (e até nas escolas de línguas) recorrendo, uma vez esgotada a listagem específica de português para EOI, à listagem de Língua Galega e Literatura do secundário por ordem de posição nas listagens sem ter em consideração se a pessoa tem formação, comprovada e colocada no seu expediente, na matéria. Perante isto decidiram escrever uma reclamação e apresentá-la à administração com entrada no seu registo: requerimento originário pessoal substituto.

Com esta campanha pretende-se alertar sobre este facto e envolver à totalidade de agentes educativos para a exigência e regulamentação desta situação injusta e prejudicial para a matéria da língua portuguesa na Galiza, que, consideramos, está a sofrer um claro desleixo e uma desvantagem comparativa em relação a outras línguas estrangeiras igualmente opcionais. Este conjunto de circunstâncias incide diretamente sobre a qualidade e proficiência do ensino-aprendizagem do alunado.

Para isto, estamos a difundir uma campanha de consciencialização e denúncia através de uma ação pública entre os agentes afetados e envolvidos, através do envio de informação:

  1. Escrito informativo para os centros educativos
  2. Escrito informativo para as associações de pais e mães dos centros educativos

E de facilitação de adesão a este justo pedido à Administração para contribuirmos conjuntamente à qualidade real na docência da Língua Portuguesas no Ensino Público Galego, com a possibilidade de se unirem às exigências colocadas a este requerimento formal, facto para o qual oferecemos várias vias de ação:

  1. Abaixo-assinado público Pela qualidade na docência da língua portuguesa na Galiza:

  2. Documentos editáveis para o seu preenchimento e apresentação à administração por parte dos diferentes agentes educativos afetados por esta situação:

 

Infografia da situação atual do ensino PLE na Galiza

 

 

 

Pela verdadeira implementação da

língua portuguesa no ensino galego.

 

Umas profissionais da docência apresentaram no passado dia 18 de outubro uma petição registada à Conselleria de Educación da Xunta da Galiza para solicitarem que, desde o organismo oficial e máximo responsável pela educação nos centros de ensino públicos da Galiza, tenham em consideração e seja requisito indispensável a formação em língua portuguesa e o bom desempenho comunicativo  e estrutural nessa língua das pessoas profissionais da matéria à hora da atribuição de vagas para a realização de substituições e interinidades nos centros públicos galegos.

Esta petição realizada é de mínimos, já que, enquanto outras línguas contam com especialidade própria, departamento próprio, corpo docente próprio e, portanto, concurso-oposição próprio, no que diz respeito à matéria de português nada disto acontece nas escolas secundárias e centros de primária galegos.

Mesmo sendo a única língua com o apoio de uma lei (LEI 1/2014, de 24 de março, para o aproveitamento da língua portuguesa e vínculos com a lusofonia.) que, na teoria, a ratificaria em cheio como sendo a primeira língua estrangeira na Galiza de direito pleno, esta não consta nem sequer com especialidade própria nas escolas galegas. Tendo ainda o português na Galiza um Memorando de entendimento para a adoção do português como língua estrangeira de opção e avaliação curricular na Galiza assinado entre esta mesma administração pública e o Camões-Instituto da Cooperação e da Língua no ano 2015 que deveria ter vindo a ratificar esse fomento da língua portuguesa no sistema público galego mas que parece ter dado em águas de bacalhau.

Até o dia de hoje nunca foi convocada nem uma só vaga pública em concurso-oposição de língua portuguesa no ensino galego, por vezes, até em favorecimento de outras línguas.

Por tudo isto da DPG queremos mostrar o nosso apoio a esta iniciativa, felicitar as pessoas promotoras da mesma e fazer um chamamento a que sejam outros setores sociais como sindicatos, associações de ANPAS, associações de pessoas alunas, etc quem também reivindiquem este direito do que as galegas e galegos estamos sendo privados, ao direito a estudarmos uma primeira ou segunda língua estrangeira que nos é próxima, nos diz respeito e nos faria sairmos dos nossos estudos obrigatórios com uma competência plena  e real em duas línguas estrangeiras e internacionais a nível mundial (supondo que o inglês continue como detentor da hegemonia linguística).

Eis o texto que foi registado:

Por um ensino da língua portuguesa na Galiza de qualidade e em igualdade de condições que às restantes línguas estrangeiras.

A língua portuguesa continua a ser desleixada e descuidada por parte da administração educativa galega. No recente anúncio de provisão de vagas para o ensino secundário galego feito público pela conselharia de educação, volta estar mais uma vez ausente a língua portuguesa. Parece que, embora a existência da ILP_Valentim Paz Andrade, não obstante os números que indicam um aumento do alunado e apesar da constante reivindicação e alerta do direito a ser a língua portuguesa considerada e tratada como as restantes línguas contempladas no sistema de ensino público obrigatório galego, mais um ano o governo quis continuar a contribuir com a precarização e instabilidade desta matéria, e as pessoas formadas e especialistas nela, não legislando nem criando vagas de língua portuguesa no ensino secundário. A DPG vem de fazer público, um comunicado onde denunciava esta situação e reclamava a convocação de um concurso público específico para a língua portuguesa. Mas, o governo mais uma vez não nos quis dar ouvidos.

Neste passado mês de novembro o habitual “CIG- Informa_ensino” esteve dedicado na íntegra a explicar e promover a introdução da língua portuguesa no ensino público galego. As condições em que esta língua se encontra e é tratada no ensino público galego apresentam-se-nos como de inferioridade e diferencial, quando menos, em detrimento de outras matérias que sim obtêm um tratamento como especialidades próprias e, portanto, com vagas específicas, concursos específicos, profissionais qualificados, etc.

Desde a DPG queremos aplaudir e agradecer esta iniciativa da organização sindical e esperamos que num futuro próximo não careçamos deste tipo de ações e a língua portuguesa ocupe o lugar que de seu lhe pertence no atual sistema público de ensino e que, já agora, a “Lei 1/2014, do 24 de marzo, para o aproveitamento da lingua portuguesa e vínculos coa lusofonía” avaliza e legitima mas que não chegou, ainda, a desenvolver e executar como corresponderia.

Folha informativa distribuída pelos centros de ensino galegos.

Folha informativa distribuída pelos centros de ensino galegos no mês de novembro de 2016.

 

Older Posts »