A Associação de Docentes de Português na Galiza (DPG) começa esta nova campanha para promover a presença da língua portuguesa nos centros de ensino secundário da Galiza.

Enviamos um modelo de cartaz e um folheto explicativo para informarmos toda a comunidade educativa.

Os objetivos desta campanha são:

  1. sensibilizar os estudantes  da primária, famílias e a sociedade em geral para a importância de se inscreverem nos centros do secundário que oferecem a cadeira de língua portuguesa.
  2. ajudar os centros de secundária que oferecem português a angariar estudantes nos centros de primária.
  3. sensibilizar os centros de secundária que ainda não oferecem português para que avaliem as potencialidades e possibilidades de ter a língua portuguesa dentro da oferta académica do seu centro.

Como sabem, ao abrigo da Lei para o aproveitamento da língua portuguesa e vínculos com a lusofonia, aprovada por unanimidade pelo Parlamento Galego, os centros e o professorado interessados na progressiva incorporação da Língua Portuguesa no ensino secundário, temos uma boa oportunidade e o grande desafio de alargar a presença do português na Galiza.

A direção da DPG

 

Pelo ensino, de qualidade, de português na Galiza

A DPG em colaboração com um grupo de docentes do ensino público galego vem de pôr em andamento uma campanha de sensibilização e denúncia das condições de precariedade laboral e má gestão em que se encontra atualmente o ensino da língua portuguesa na Galiza.

A iniciativa surge de um grupo de docentes pertencentes à lista de substituições de Língua Galega e Literatura que considerou injusto e prejudicial para a qualidade educativa a prática que a administração educativa galega vem desenvolvendo quando é preciso cobrir uma substituição de língua portuguesa no secundário (e até nas escolas de línguas) recorrendo, uma vez esgotada a listagem específica de português para EOI, à listagem de Língua Galega e Literatura do secundário por ordem de posição nas listagens sem ter em consideração se a pessoa tem formação, comprovada e colocada no seu expediente, na matéria. Perante isto decidiram escrever uma reclamação e apresentá-la à administração com entrada no seu registo: requerimento originário pessoal substituto.

Com esta campanha pretende-se alertar sobre este facto e envolver à totalidade de agentes educativos para a exigência e regulamentação desta situação injusta e prejudicial para a matéria da língua portuguesa na Galiza, que, consideramos, está a sofrer um claro desleixo e uma desvantagem comparativa em relação a outras línguas estrangeiras igualmente opcionais. Este conjunto de circunstâncias incide diretamente sobre a qualidade e proficiência do ensino-aprendizagem do alunado.

Para isto, estamos a difundir uma campanha de consciencialização e denúncia através de uma ação pública entre os agentes afetados e envolvidos, através do envio de informação:

  1. Escrito informativo para os centros educativos
  2. Escrito informativo para as associações de pais e mães dos centros educativos

E de facilitação de adesão a este justo pedido à Administração para contribuirmos conjuntamente à qualidade real na docência da Língua Portuguesas no Ensino Público Galego, com a possibilidade de se unirem às exigências colocadas a este requerimento formal, facto para o qual oferecemos várias vias de ação:

  1. Abaixo-assinado público Pela qualidade na docência da língua portuguesa na Galiza:

  2. Documentos editáveis para o seu preenchimento e apresentação à administração por parte dos diferentes agentes educativos afetados por esta situação:

 

Infografia da situação atual do ensino PLE na Galiza

 

 

 

Neste passado mês de novembro o habitual “CIG- Informa_ensino” esteve dedicado na íntegra a explicar e promover a introdução da língua portuguesa no ensino público galego. As condições em que esta língua se encontra e é tratada no ensino público galego apresentam-se-nos como de inferioridade e diferencial, quando menos, em detrimento de outras matérias que sim obtêm um tratamento como especialidades próprias e, portanto, com vagas específicas, concursos específicos, profissionais qualificados, etc.

Desde a DPG queremos aplaudir e agradecer esta iniciativa da organização sindical e esperamos que num futuro próximo não careçamos deste tipo de ações e a língua portuguesa ocupe o lugar que de seu lhe pertence no atual sistema público de ensino e que, já agora, a “Lei 1/2014, do 24 de marzo, para o aproveitamento da lingua portuguesa e vínculos coa lusofonía” avaliza e legitima mas que não chegou, ainda, a desenvolver e executar como corresponderia.

Folha informativa distribuída pelos centros de ensino galegos.

Folha informativa distribuída pelos centros de ensino galegos no mês de novembro de 2016.

 

No final do ano académico 2015/16 a DPG veio a realizar mais uma vez uma campanha de encorajamento para a inclusão da língua portuguesa nos centros de ensino galegos.

Desde a associação consideramos que a Lei 1/2014, do 24 de março, para o aproveitamento da língua portuguesa e vínculos com a lusofonia continua sem desenvolvimento nem execuções concretizadas e, portanto, que está ser completamente desleixada e incumprida por parte da administração galega. Por esta razão, e como já tinha sido feito no ano académico anterior 2014/15 mediante o envio de um e-mail informativo sobre as possibilidades da introdução do ensino da língua portuguesa nos centros e a sua logística, voltamos fazer esta labor de difusão mas desta vez através do envio de dois vídeo-tutoriais explicativos.

Queremos muito agradecer às pessoas que nos ajudaram a levar este projeto para a frente, muito especialmente a Carlos Mendes, Olívia Pena e Tati Mancebo, entre muitas outras.

Eis os resultados:

 

 

Como introduzir língua portuguesa no teu centro?

Como introduzir língua portuguesa no teu centro?

A DPG vem de enviar uma CARTA INFORMATIVA aos centros de ensino secundário da Galiza para os alertar e informar da atual possibilidade de solicitarem a matéria de língua portuguesa, bem como matéria de livre configuração (segundo nova regulamentação da LOMCE), bem como segunda língua estrangeira, nos seus centros.

Esta iniciativa desenvolveu-se devido a uma crescente receção de pedidos de informações à DPG. Requerimentos de docentes de diversos pontos da Galiza para saberem como poderiam implementar o português nos seus centros e se de alguma maneira a LEI 1/2014, do 24 de março, para o aproveitamento da língua portuguesa e vínculos com a lusofonia está a ser desenvolvida neste sentido de fomento do ensino do português na Galiza; ou quais as vias para poderem pôr em prática efetiva esta possibilidade.

Older Posts »