Mudanças nas certificações das EOI

Quarta-feira, 24 de Outubro de 2018

Neste ano académico 2018-2019 esta-se a implantar um novo plano de estudos nas Escolas Oficiais de Idiomas na Galiza, em virtude do Decreto 81/2018. O plano antigo, do ano 2007, extingue-se definitivamente em setembro deste ano 2018.

A seguir, a mudança mais relevante no âmbito da língua portuguesa, onde cada nível corresponde-se com um ano académico de aulas nas EOI.

Toda a informação necessária sobre certificações em:

  1. EOI da Corunha
  2. EOI de Ferrol
  3. EOI de Lugo
  4. EOI de Santiago de Compostela
  5. EOI de Ourense
  6. EOI de Ponte Vedra
  7. EOI de Vigo + extensão de TUI
  8. EOI de Vila Garcia

Prova de Competência Linguística – USC

Quarta-feira, 24 de Outubro de 2018

Exames Prova de Competência Linguística do Centro de Línguas Modernas da Universidade de Santiago de Compostela

Para acreditar o conhecimento de uma língua no nível B1, B2 e superior do MERC, a comunidade da USC tem opções várias.

Podes consultá-las no próprio site da USC.

SUBSTITUIÇÕES DE PORTUGUÊS NO SECUNDÁRIO

Segunda-feira, 08 de Outubro de 2018

COMUNICADO DE IMPRENSA:

É crescente a precariedade e nefasta gestão de parte da Conselharia de Educação no que diz respeito ao ensino de português no secundário. Para além de não se levarem à prática os mandados da Lei Paz Andrade, não se criam vagas, a possibilidade de o lecionar está sujeita à disponibilidade horária de professorado de outras matérias, e o que é pior e gratuíto: quando o professorado causa baixa, vai destinado a outro centro ou vai para a reforma, a vaga é ocupada por professorado substituto contratado, fora do quadro efetivo, sem formação, apesar de existir nas listas de substituição da especialidade de galego (normalmente quem leciona português associa-se a essa especialidade no secundário) pessoas que acreditam o conhecimento da língua portuguesa.

Dos múltiplos exemplos, o mais recente é o acontecido no IES Nossa Senhora dos Olhos Grandes de Lugo. Nesta escola, leciona-se português desde o ano 2000 e conta com departamento próprio. Por jubilação da professora do departamento no dia 30 de setembro, a vaga foi atribuída pela Conselharia de Educação a uma professora de língua galega sem formação em português; no entanto, havia professorado na lista de substituições da própria conselharia com conhecimento acreditado da língua.

Uma parte significativa do alunado afetado estuda 1º/2º de bacharelato e tenciona realizar a prova de português na ABAU (provas de acesso à universidade). Que probabilidade de sucesso é que vão ter, sabendo, aliás, que a qualificação dessa prova pondera 0,2 na qualificação geral da ABAU? Quem se responsabiliza das qualificações destas pessoas?

Salvo a destruição do trabalho feito e da própria presença da língua portuguesa no ensino secundário, não há outra justificação para essa forma de proceder da Conselharia de Educação.

Lugo, 5 de outubro de 2018
Associação de Docentes de Português na Galiza (DPG)

 

A Associação de Docentes de Português na Galiza (DPG) começa esta nova campanha para promover a presença da língua portuguesa nos centros de ensino secundário da Galiza.

Enviamos um modelo de cartaz e um folheto explicativo para informarmos toda a comunidade educativa.

Os objetivos desta campanha são:

  1. sensibilizar os estudantes  da primária, famílias e a sociedade em geral para a importância de se inscreverem nos centros do secundário que oferecem a cadeira de língua portuguesa.
  2. ajudar os centros de secundária que oferecem português a angariar estudantes nos centros de primária.
  3. sensibilizar os centros de secundária que ainda não oferecem português para que avaliem as potencialidades e possibilidades de ter a língua portuguesa dentro da oferta académica do seu centro.

Como sabem, ao abrigo da Lei para o aproveitamento da língua portuguesa e vínculos com a lusofonia, aprovada por unanimidade pelo Parlamento Galego, os centros e o professorado interessados na progressiva incorporação da Língua Portuguesa no ensino secundário, temos uma boa oportunidade e o grande desafio de alargar a presença do português na Galiza.

A direção da DPG

 

Pelo ensino, de qualidade, de português na Galiza

A DPG em colaboração com um grupo de docentes do ensino público galego vem de pôr em andamento uma campanha de sensibilização e denúncia das condições de precariedade laboral e má gestão em que se encontra atualmente o ensino da língua portuguesa na Galiza.

A iniciativa surge de um grupo de docentes pertencentes à lista de substituições de Língua Galega e Literatura que considerou injusto e prejudicial para a qualidade educativa a prática que a administração educativa galega vem desenvolvendo quando é preciso cobrir uma substituição de língua portuguesa no secundário (e até nas escolas de línguas) recorrendo, uma vez esgotada a listagem específica de português para EOI, à listagem de Língua Galega e Literatura do secundário por ordem de posição nas listagens sem ter em consideração se a pessoa tem formação, comprovada e colocada no seu expediente, na matéria. Perante isto decidiram escrever uma reclamação e apresentá-la à administração com entrada no seu registo: requerimento originário pessoal substituto.

Com esta campanha pretende-se alertar sobre este facto e envolver à totalidade de agentes educativos para a exigência e regulamentação desta situação injusta e prejudicial para a matéria da língua portuguesa na Galiza, que, consideramos, está a sofrer um claro desleixo e uma desvantagem comparativa em relação a outras línguas estrangeiras igualmente opcionais. Este conjunto de circunstâncias incide diretamente sobre a qualidade e proficiência do ensino-aprendizagem do alunado.

Para isto, estamos a difundir uma campanha de consciencialização e denúncia através de uma ação pública entre os agentes afetados e envolvidos, através do envio de informação:

  1. Escrito informativo para os centros educativos
  2. Escrito informativo para as associações de pais e mães dos centros educativos

E de facilitação de adesão a este justo pedido à Administração para contribuirmos conjuntamente à qualidade real na docência da Língua Portuguesas no Ensino Público Galego, com a possibilidade de se unirem às exigências colocadas a este requerimento formal, facto para o qual oferecemos várias vias de ação:

  1. Abaixo-assinado público Pela qualidade na docência da língua portuguesa na Galiza:

  2. Documentos editáveis para o seu preenchimento e apresentação à administração por parte dos diferentes agentes educativos afetados por esta situação:

 

Infografia da situação atual do ensino PLE na Galiza

 

 

 

Older Posts »