O  Parlamento da Galiza, na sessão do dia 9 de outubro de 2018 aprovou por unanimidade, no ponto único da ordem do dia (Debate anual de política geral: doc. núm. 36952, 10/DEBA-000002), a seguinte resolução:

12.ª Resolución
“O Parlamento insta a Xunta a adoptar as medidas que sexan necesarias, antes de finalizar a presente lexislatura, para impulsar a solicitude de admisión de Galicia como membro na Comunidade dos Países de Lingua Portuguesa. Así mesmo, insta o Goberno galego a desenvolver de maneira real e efectiva a Lei Paz Andrade para o aproveitamento da lingua e cultura portuguesas convocando prazas docentes de portugués na vindeira oferta pública de emprego dirixida ao ensino e a dotar de orzamento nas contas para 2019 a aplicación desta lei.”
Aprobada por unanimidade de 73 deputados e deputadas.
(Proposta de resolución núm. 22 do G.P. do Bloque Nacionalista Galego).

http://www.parlamentodegalicia.es/Actualidade/2749/resolucions-aprobadas-no-debate-anual-de-politica-xeral/?fbclid=IwAR3Mygy3ID3-dO-x75fn7Fy3O7y6sTxvdNdi-X7jJodiHlsCuzuyBP0Img8

SUBSTITUIÇÕES DE PORTUGUÊS NO SECUNDÁRIO

Segunda-feira, 08 de Outubro de 2018

COMUNICADO DE IMPRENSA:

É crescente a precariedade e nefasta gestão de parte da Conselharia de Educação no que diz respeito ao ensino de português no secundário. Para além de não se levarem à prática os mandados da Lei Paz Andrade, não se criam vagas, a possibilidade de o lecionar está sujeita à disponibilidade horária de professorado de outras matérias, e o que é pior e gratuíto: quando o professorado causa baixa, vai destinado a outro centro ou vai para a reforma, a vaga é ocupada por professorado substituto contratado, fora do quadro efetivo, sem formação, apesar de existir nas listas de substituição da especialidade de galego (normalmente quem leciona português associa-se a essa especialidade no secundário) pessoas que acreditam o conhecimento da língua portuguesa.

Dos múltiplos exemplos, o mais recente é o acontecido no IES Nossa Senhora dos Olhos Grandes de Lugo. Nesta escola, leciona-se português desde o ano 2000 e conta com departamento próprio. Por jubilação da professora do departamento no dia 30 de setembro, a vaga foi atribuída pela Conselharia de Educação a uma professora de língua galega sem formação em português; no entanto, havia professorado na lista de substituições da própria conselharia com conhecimento acreditado da língua.

Uma parte significativa do alunado afetado estuda 1º/2º de bacharelato e tenciona realizar a prova de português na ABAU (provas de acesso à universidade). Que probabilidade de sucesso é que vão ter, sabendo, aliás, que a qualificação dessa prova pondera 0,2 na qualificação geral da ABAU? Quem se responsabiliza das qualificações destas pessoas?

Salvo a destruição do trabalho feito e da própria presença da língua portuguesa no ensino secundário, não há outra justificação para essa forma de proceder da Conselharia de Educação.

Lugo, 5 de outubro de 2018
Associação de Docentes de Português na Galiza (DPG)