No passado dia 22 de junho de 2019, coincidindo com o início das provas para o acesso público à educação secundária obrigatória pela especialidade de português (primeira vez que se convocavam 4 vagas deste tipo na Galiza) saiu uma reportagem no jornal Praza sobre o assunto.

Como associação profissional de docentes de português pediram-nos a nossa opinião.

E colocaram a informação dos centros que na atualidade lecionam português na Galiza:

Eis a notícia completa.

8 de abril em Santiago de Compostela e 9 de abril em Vigo; as pessoas que participarem poderão ouvir as dramaturgas Patrícia Portela e Lina Pérez.

Instituto Camões, Consello da Cultura Galega e escola ESAD desenvolvem “Dramaturgias itinerantes”, cujo objetivo é fazer a ponte entre a escrita teatral galega e portuguesa para fomentar, através do diálogo cénico, um melhor conhecimento mútuo

A atividade contará com a participação do alunos da ESAD e do Grupo de Teatro Amador do Camões – Centro Cultural Português em Vigo, “Eu.Experimento” (www.euexperimento.com).

Não percam a ocasião de debater com as duas escritoras.

Inscrições no site da CCG nesta ligação

Fernando Rosas estará em Compostela no mês de abril

Sexta-feira, 29 de Março de 2019

Conferências e lançamento de livro serão dias 1 e 3 de Abril

Na próxima semana, o Professor Fernando Rosas, da universidade Nova de Lisboa, estará em Santiago de Compostela para o lançamento do livro: “Salazar e os Fascismos”.

Programa:
Dia 1 de abril, às 19h, Paraninfo da Universidade (Faculdade de Geografia e História) – REVOLUÇÃO E TRANSIÇÃO. O FIM DAS DITADURAS IBÉRICAS 
 

Dia 3 de abril, às 9h, Sala de Graus, Faculdade de filologia – AULA ABERTA, CULTURA PORTUGUESA ” O 25 DE ABRIL, AOS OLHOS DO MILITANTE, ONTEM, E O HISTORIADOR, HOJE” 

Dia 3 de abril, às 20h, Livraria Couceiro, Santiago de Compostela,  – LANÇAMENTO DO LIVRO “SALAZAR E OS FASCISMOS” (COM O AUTOR, FERNANDO ROSAS)

USC – Mesa redonda sobre literaturas lusófonas

Segunda-feira, 25 de Março de 2019
Universidade de Compostela organiza Mesa-redonda


O Camões – Centro Cultural Português em Vigo, em colaboração com o Núcleo de Professoras/es de Português da Faculdade de Filologia da Universidade de Santiago de Compostela, o Instituto Galego de Análise e Documentação Internacional que este ano tem o seu Congresso “Galiza e a Lusofonia perante os desafios globais” e com o “XX Salón do Libro Infantil e Xuvenil de Pontevedra”, que este ano é dedicado às culturas lusófonas, organiza uma Mesa-Redonda a ter lugar na Faculdade de Filologia da Universidade de Santiago de Compostela, Sala de Graus, dia 29 de março, pelas 12h e cujo tema serão as literaturas de língua portuguesa. Para enriquecer o debate, moderado pelo Professor Doutor Carlos Quiroga, também escritor, participarão os seguintes autores lusófonos:

Brasil – Marina Colasanti, Roger Mello e Volnei Canonica;
Cabo-Verde – Germano Almeida
Timor-Leste – Luís Cardoso;

Sendo uma boa notícia, cabe alientar que as 4 vagas de livre acesso ofertadas apenas representam 0,48% do total das 834 ofertadas para o ensino secundário. E aliás, supõem regularizar a sitiação só de 6,6% dos centros que atualmente lecionam português na Galiza.

Acabam de ser aprovadas pelo governo galego as primeiras vagas oficiais de português no secundário

Por vez primeira na história o código 590015: português terá convocatória oficial conforme vinham reclamando diferentes entidades profissionais, sindicatos e agentes sócio-culturais.

É um passo muito pequeno ainda (apenas quatro vagas) mas inicia um novo cenário promissor.

Da DPG não podemos mais do que parabenizar a todas as pessoas dos diferentes âmbitos que levam reclamando a incorporação de medidas efetivas na promoção do ensino de português na Galiza e do cumprimento do roteiro marcado pela ILP-Paz andrade.

Na nossa opinião a quantidade de vagas convocadas é a todas luzes insuficiente para uma estimação que já ultrapassa os 50 centros de secundário a lecionarem português na atualidade – e que ficam por enquanto ainda sem vagas oficiais que assentem o trabalho que tem sido desenvolvido nesses centros.

Do ponto de vista do cumprimento da ILP Paz- Andrade ou até numa comparação com a atual convocação de vagas doutras línguas de idêntica importância curricular, a DPG considera o número totalmente por baixo das necessidades de atendimento profissional e de qualidade numa matéria que foi definida em 2014 como uma prioridade do governo na promoção do ensino de línguas.

Nesse sentido estas primeiras 4 vagas são um número mínimo que esperamos o governo tenha a bem multiplicar, no mínimo, por dez (40 vagas) em próximas convocatórias visando começar -desse modo sim- a dar cumprimento ao roteiro definido pela Lei Paz Andrade.

Para todas as pessoas comprometidas com a promoção do ensino de língua portuguesa é, apesar disso, motivo de grande alegria, hoje podemos celebrar os primeiros frutos do nosso trabalho no secundário.

Parabéns a todas!


Older Posts »