Na passada terça-feira, 18 de outubro de 2011, coincidindo com a entrega do quantioso prémio Leya a um novel autor português foi o dia em que a fundação Via Galego escolheu (devido a sua coincidência «com o segundo aniversário da histórica manifestação em defesa da língua galega») para comunicar a outorgação do galardão à DPG – Associação de Docentes de Português na Galiza.

A DPG recebe este reconhecimento, na sua segunda edição, que distingue pessoas ou entidades «que melhorem as relações da Galiza com os outros territórios do seu sistema linguístico». Em palavras do presidente da fundação, Carlos Callón, «um dos grandes problemas da nossa cultura é a falta de conhecimento e comunicação com os outros territórios do sistema linguístico a que pertencemos». Igualmente, salientou que «um melhor relacionamento não apenas teria bons resultados culturais ou sociais, mas também económicos».

O júri dos prémios Via Galego é integrado polo padroado da fundação: Carlos Callón (presidente), Susana Romero (vice-presidenta), Iria Taibo (secretária) e os vogais Xavier Alcalá, Miguel Barros, Fátima Braña, Quico Cadaval, Pilar Garcia Negro, Carmela González Bóo, Adolfo Muíños, Bernardo Penabade, Fran Rei, Henrique Sáez Ponte e Xavier Vence.